quarta-feira, 2 de julho de 2008

Foi tudo um sonho


O clube levou um ano de planejamento, priorizando a competição sul-americana acima de tudo (até do campeonato nacional). Caiu no "grupo da morte" e saiu líder, acabou com a banca de favoritos ao título e reverteu uma goleada. Era a melhor campanha da Libertadores 2008.

Passaremos décadas tentando explicar porque o Fluminense perdeu esse título para a LDU. Mau aproveitamento nos pênaltis é o fato objetivo. Mas na cabeça fria (se é que isso é possível logo após o jogo) é preciso perceber duas coisas: os méritos do tricolor existem, assim como os erros do time e do comando técnico.

O Flu tinha de longe um time melhor que o da LDU. Experiência também não faltava. E Thiago Neves finalmente chegou ao status de ídolo ao fazer milagre na final da competição, com o Maracanã lotado.

No entanto, sabendo que a principal jogada dos equatorianos era o lado direito, e que o melhor jogador era Guerrón, não houve nenhuma marcação especial. Nem em Quito, nem no Maracanã. Além do gol da LDU, durante toda a partida ele jogou como quis.

Enquanto Thiago Neves e Conca tentavam levar o time à frente, os bons zagueiros Thiago Silva e Luiz Alberto pareciam jogar contra, tamanho o nervosismo e facilidade pra fazer besteiras. Bolaños se divertiu em campo.

Um time que precisa de 3 gols (e evitar levar) não pode começar sem Dodô e com Ygor. Já disse isso aqui antes, e repito: erro (repetido) de Renato Gaúcho, que pareceu sempre estar um nível abaixo do time e de todo o momento histórico.

O futebol não tem misericórdia, nem medo de levar a fama de injusto. O Flu merecia ser campeão, muito mais que a LDU, que empatou tudo das oitavas às semis e não tinha opções de jogo além dos atletas já citados.

Resta aos torcedores chorar e o time sair da ressaca o mais rápido possível, pois já perdeu 21 pontos no Brasileirão.

2 comentários:

Felipe disse...

LDUUUUUUUUUUUUUU

André Marques disse...

Lamento pelos tricolores, mas para o covarde e arrogante Renato Gaúcho, foi um tapa na cara mais do que merecido.